26/07/09

TRY

Em todas as vidas que tive acumularam-se os vícios da inércia perante a velha máxima: "Faço amanhã". Repito cada uma delas como uma nova e cega tentativa, enquanto guardo as tintas do arco-íris no sotão de um mundo velho e cinzento.
E rodo as minhas saias negras ao contrário do ponteiro do relógio ao mesmo tempo que desaprendo a rir e a chorar...recém-nascida num mundo a morrer.
As rugas de amanhã não aprenderam onde nasceram e não conduzem a lugar algum a não ser a exaustão de uma vida inteira somada a todos as outras deixadas num tudo de ensaio.
O MEU SONHO.
...mas tento...


5 comentários:

gracinda disse...

Se tentar é tudo o que podemos fazer, então já valeu a pena ter tentado.

Amiga, o post está LINDO! Reparei até mesmo na sucessão das imagens... resultou tudo num "ensaio" muito bonito. :)

Beijos bem grandes.

Porcelain Doll disse...

Afinal de contas... não podemos fazer muito mais que isso... e por tentarmos já sabemos que pelo menos temos um vislumbre do percurso... acredita, isso já é muito! Beijos!

su disse...

...apenas porque a vida é uma qualquer tentativa de algo que ainda não conhecemos...talvez um tubo de ensaio partido num laboratório de um cientista louco?!...

Giane disse...

Eu morreria se não tentasse.
Um pouco, um muito, um sonho, um mundo.
A cada, a todo, dia.

Beijos mil!!!

Å®t Øf £övë disse...

Su,
Nunca devemos adiar nada para amanhã, porque a melhor filosofia de vida é viver como se não houvesse amanhã.
Bjs.